Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cremepimenta

Qui | 20.04.17

Do tempo para nós

Nós mulheres e mães, perdemo-nos muitas vezes de nós mesmas. Com a vida, o trabalho, os filhos, a casa.

Eu não sou diferente. Aqui me confesso de que, depois de nascer a minha primeira filha, demorei algum tempo até me lembrar que tinha de cuidar de mim e isso reflectiu-se, por exemplo, no tempo que decorreu sem voltar à minha esteticista do coração (também não cheguei ao ponto de poder pentear os pêlos que costumo arrancar, vá). Mas foi uma lição. Na segunda volta, estava de volta, pass'a redundância, à cera poucos dias depois de ter tido alta.

Mas conversa diferente é o tempo em que se dá o click para voltar a tomar consciência que para me sentir bem, tinha de me livrar dos quilos a mais e voltar a gostar de olhar para o espelho (embora isso será conversa para outro post). E aqui entra o exercício físico. Ou melhor, o equilíbrio para encontrarmos tempo para o encaixar, seja de que forma fôr, na nossa vida. 

Toda esta conversa, veio a propósito de um comentário que deixei neste post d'A Mãe dos PP's e que passo a transcrever:

Percebo-te, diria até, demasiado bem! Também eu me perco na vida, na maternidade, no trabalho, mas às vezes desperto e percebo que se não estiver bem comigo, também não consigo estar bem com as duas coisas mais importantes da minha vida, as minhas filhas (posso somar a terceira, o marido ;) ).
Ao encontrarmos tempo para nós, não estamos a roubar tempo à família. Estamos a dar qualidade ao tempo que lhes vamos dedicar!

Eu confesso que demorei algum tempo para interiorizar isto. E confesso ainda que às vezes tenho de lutar comigo mesma para me forçar a encontrar-me e a encontrar tempo para mim (sim, o exercício físico).

tempo.png

Como em tudo na vida, não somos todos iguais. E, se para algumas mulheres isto é inato, outras precisam de ajudar para o perceber. Precisamos de estar de bem connosco para estarmos bem com os outro. É uma frase feita, eu sei, mas eu acredito que é bem verdade.

Assim como, depois de sermos pais, continuamos a ser um casal e qualquer relacionamento deve ser alimentado. Já não somos adolescentes despreocupados é verdade, mas uma hora de namoro, dois minutos de mimo, uma conversa ao final do dia, uma queca apressada antes que os miúdos acordem... tudo isto é vital. E faz bem à pele.