Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cremepimenta

cremepimenta

Seg | 27.03.17

Voltei à infância

Ontem voltei à minha infância. Voltei a ser uma menina que sonha com castelos e magia, embora prefira sempre o príncipe na sua versão de monstro suave. Sim, onde C. e eu fomos ver a nova versão da Bela e o Monstro.

bela e o monstro.jpg

A expectativa era muito - tanto minha como dela - mas o meu entusiasmo deveria ser ainda maior, não fosse A Bela e o Monstro o filme - a par com a Bela Adormecida - aquele que mais vezes vi na sua versão VHS (!) que ainda vive em casa dos meus pais.

Li muito sobre o filme, alguns reviews de anónimos, uns a gostar muito, outros nem por isso. Mas devo dizer que o filme cumpre o que promete. Revisita a história, actualiza-a ligeiramente, mas mantém o essencial de um conto de fadas.
A Bela é a "miúda estranha" da aldeia cujos habitantes que não conseguem perceber o porquê de uma rapariga gostar de ler e até a atacam quando tenta ensinar outra menina a fazer o mesmo, numa época em que apenas os rapazes vão à escola! Uma situação que fez a minha filha pensar, questionando-se o porquê de a tratarem desta forma.
O Princípe vive no seu castelo sob o feitiço que lhe fora lançado, vendo as pétalas da rosa a cair, enquanto todos os habitantes, dia após dia, vão perdendo as suas características humanas. Todos vivendo no esquecimento do resto do mundo.
À parte de alguns pormenores de complemento às história, a narrativa segue o mesmo formato, o monstro captura o pai, a Bela troca de lugar como prisioneira e os empregados encantados do castelo tudo fazem para aproximar os dois, até que o amor vence, a aldeia e o ódio voltou a pôr-se no caminho, mas o amor é forte e tudo vence.

Para mim foi voltar à infância, mas agora com a maturidade para perceber porque a Bela é diferente. Para perceber que o princípe até tem mais encanto enquanto monstro. Para me amocionar quando se conhece a história da mãe da Bela. E para perceber os pequenos apontamentos de humor, como no final em que a Bela sugere ao príncipe que deixe crescer a barba (acho que também ela gostava mais do monstro peludo que o príncipe loiro e sem sinal de penugem...).

A Disney continua a fazer-me sonhar. Com um mundo em que o amor é suficiente para tudo superar. Em que a bruxa vê que todos merecemos uma segunda oportunidade. E onde os maus têm o seu castigo.

Diz-se que estão em carteira a adaptação de outros filmes de animação, mas creio que - para mim - nenhum outro terá a magia da Bela e o Monstro.

10 comentários

Comentar post